Media
Notícias

Consumidores querem serviços financeiros digitais das suas próprias instituições, de acordo com estudo da CGI

Estudo Global 1000, da CGI, revela que a urgência em acelerar a transformação digital advém das expetativas do consumidor e da visão dos executivos do sector

Lisboa, 24 Outubro 2016 -  

A CGI (NYSE: GIB) (TSX: GIB.A) acaba de divulgar os resultados do seu estudo Global 1000 sobre as expetativas do consumidor em relação aos serviços financeiros digitais e de que forma os bancos estão a responder às suas necessidades. O estudo “Rutura das FinTech com os serviços financeiros” analisa o valor que os consumidores atribuem a uma ampla gama de conceitos digitais no seu atendimento bancário, o conhecimento que a instituição tem do mercado, limitações sentidas na adesão dos produtos e as suas preferências face aos fornecedores de serviços digitais.

Os bancos de hoje enfrentam um conjunto de desafios sem precedentes, incluindo novos concorrentes em tecnologia financeira (FinTech), que se esforçam por ficar com uma parte dos clientes, produtos e receitas das instituições – e os quadros deste sector estão atentos à situação. No relatório do estudo CGI Global 1000, realizado com base em entrevistas presenciais a líderes de negócio e de tecnologia em todo a mundo, os executivos bancários referem a transformação acelerada da banca como uma tendência inequívoca para responder à pressão dos concorrentes, clientes e reguladores. Para complementar o debate sobre o papel das FinTechs na reformulação do sector bancário, o estudo mais recente da CGI dá voz ao consumidor.

O estudo da CGI envolveu 1.670 consumidores nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, França, Alemanha, Suécia, Singapura e Austrália, que examinaram 12 conceitos de serviços das FinTechs, incluindo identidade digital e proteção contra fraudes, gestão financeira pessoal agregada, pagamentos móveis, experiência digital personalizada, entre outros. Os principais resultados incluem:

  • Mais de 75% dos consumidores manifestaram preferência na aquisição de novos serviços digitais da sua própria instituição financeira ou através de outro fornecedor tradicional.
  • 78% dos consumidores identificaram a proteção digital como um serviço altamente valorizado, 83% disseram que estão cientes deste serviço e 52% disseram que pretendem usá-lo.
  • 61% dos inquiridos identificaram a gestão financeira – incluindo a capacidade de ver todas as informações financeiras pessoais num único local – como uma mais-valia. 63% sabe que o mercado tem estas ofertas e 37% pretendem utilizar este modelo.
  • 51% dos entrevistados destaca os pagamentos móveis, 94% reconhecem a sua importância e 53% desejam utilizar o serviço.
  • Entre os pontos indicados, a falta de confiança provou ser o maior obstáculo na adesão a serviços financeiros digitais, seguida pela complexidade percebida na sua utilização e a aversão ao risco associado. 

“Os bancos atuais estão bem posicionados para oferecer novos serviços financeiros digitais, tendo em conta a relação de confiança que mantêm com os seus clientes, por terem um alto nível de inteligência. Parcerias com empresas de FinTechs podem contribuir para que os bancos respondam mais rapidamente às crescentes expetativas dos consumidores, que estão ávidos por experimentar serviços digitais personalizados, é a conclusão do estudo Global 1000”, afirma Kevin Poe, Vice-Presidente e Líder Global de Retail Banking na CGI. “É necessário trabalhar para reduzir a complexidade desses serviços digitais e ajudar na sua adesão. Por outro lado, os novos operadores de mercado devem encontrar formas de ultrapassar as dificuldades de acesso do consumidor e de confiança que ele possui face aos produtos. E as parcerias com os bancos oferecem soluções para esses desafios”, acrescenta Poe.

Para saber mais ou ler o relatório “Rutura das FinTechs com os serviços financeiros, aceda ao site www.cgi.com 

Sobre o CGI Global 1000

O CGI Global 1000 é realizado anualmente, com base numa série de conversas sobre o futuro, entre consultores da CGI e executivos de negócios e de tecnologia seniores, em organizações privadas e governamentais. Durante essas conversas, os executivos partilham as suas perspetivas sobre as tendências de mercado que devem impactar as suas organizações e como pretendem enfrentar os desafios e oportunidades através dos seus planos e objetivos. Em 2016, os consultores da CGI entrevistaram mais de 1.000 executivos de 10 sectores em 20 países distintos, incluindo discussões aprofundadas sobre transformação digital e Ciber segurança. Para mais informações sobre o CGI Global 1000, ou para solicitar uma reunião para discutir as suas perceções globais, do sector ou regionais, visite www.cgi.com/global1000

Sobre a CGI

Fundada em 1976, o CGI Group Inc. é a quinta maior empresa independente de serviços de TI e de serviços de negócio no mundo. Aproximadamente 65.000 profissionais prestam serviço a centenas de clientes globais a partir de escritórios e centros de negócio nas Américas, Europa e Ásia-Pacífico, disponibilizando um portefólio complete de serviços, incluindo consultoria de negócio e de TI, integração de sistemas, desenvolvimento e manutenção de aplicações e gestão de infraestruturas, assim como um leque de soluções próprias. Apresentando uma receita anual de mais de 10 mil milhões de dólares canadianos e provisão de ordens de aproximadamente 20 mil milhões de dólares canadianos, a CGI está cotada nas bolsas TSX (GIB.A) e NYSE (GIB). Visite www.cgi.com

Para mais informações:
Lorne Gorber
Executive Vice-President, Global Communications and Investor Relations
+1 (514) 841-3355
lorne.gorber@cgi.com

Local Media:
Cristina Guevara
Director, Financial Services Sector Portugal & Marketing & Communications - Southern Europe & South America
cristina.guevara@cgi.com
+351 210 018 000